Lembranças.

Acho que a coisa mais pessoal que temos são as nossas lembranças. Sério, são coisas só nossas, que ninguém mais tem acesso a não ser nós mesmos.

Minha irmã hoje, mesmo que sem querer, me fez lembrar de vários momentos da minha vida, com simples perguntas do tipo “Kamilla, o fusquinha era muito apertado, de quando você era pequena?”. Gente, eu era praticamente um bebê! Hahaha. Mas meu pais vivem contando histórias velhas, então, a história de quando eu dormi em pé no meio do fusquinha e quase bati o nariz no painel é contada até hoje.

Depois ela me deu um chiclete que eu costumava comprar todo dia na minha oitava série. Mais lembranças.

Comecei então a lembrar das fases que passei. Como foi que cheguei aqui? Caramba, a gente cresce e nem percebe! E isso que eu só tenho 16 anos, e, olha, eu posso falar: foram os 16 anos mais rápidos da minha vida! É sério, é como se fosse ontem que eu ficava aqui no blog cheia de expectativas pro meu 2012, faculdade era tão distante.

Comecei a lembrar de quando eu entrei no ensino médio, numa escola nova, cheia de pessoas que eu nunca tinha visto, num horário diferente do meu habitual, andando com a Nathynha que nem barata tonta. Com carinhas perdidas (pelo menos a minha) que nem de cego em tiroteio. Lembrei do quão assustada eu estava na ida, da minha mãe tirando fotos da menininha dela no primeiro dia de aula do Ensino Médio, acho que ela tirou foto de cada passo que eu dei, gente!

Lembrei também de quando eu entrei na 6ª série, também numa escola nova, também com carinha perdida, dessa vez só com o meu pai, num dia chuvoso. Primeira pessoa que conheci esse dia foi o Davi. Turma pequena. Chuva. Cheiro de terra molhada depois de muita chuva. Pessoas novas. Gabi, essa eu já conhecia e era amiga! Carinhas novas e animadas. Pintura nova. Mais chuva.

Lembrei da minha formatura da oitava série, todos os abissais, como o nosso professor de matemática nos chamava, reunidos na casa da Melina. Pizza, muita pizza. Refri e filme de terror. Segredos. Pensei que esse dia seria o mais triste e o mais feliz da minha vida. Não sabia o que me esperava.

Voltei minhas lembranças lá pro outro colégio, com a minha primeira professora louca. Outra professora que todos temiam, mas que me adorava, falsa. Amigos de infância.

Vou andando com a minha memória aos poucos pro presente, começo a me lembrar das pessoas que conheço desde sempre, das que conheci no meio do caminho, de como estão hoje, do tanto que crescemos.

E lembro da minha família em quase todos esses momentos. Da hora que meu pai me buscou na casa da Melina. De quando me levou pra escola nova, naquele dia tão chuvoso. Dos dias que me levava pra escola de bicicleta, depois de passar a manhã rindo e vendo Pica-Pau e Tom e Jerry. Me lembro da minha mãe indo trabalhar, cansada, mas sempre com um sorriso no rosto, e quando voltava tentava me fazer a pessoa mais feliz do mundo. Do dia que me levaram pra primeira aula do colegial, ela fotografando e ele tentando esconder as lágrimas (tenho um pai muito chorão!). Do dia que ele me levou pra primeira prova do PAS, onde fui quase atropelada de tanto nervoso. Na formatura já do colegial, quando eu olhei pra platéia e vi aqueles quatro olhinhos brilhando cheio de lágrimas, mas com um sorriso no rosto, orgulhosos.

Descobri como foi que cheguei até aqui.

Lembranças são sim a coisa mais pessoal que temos. Mas não as mais preciosas, preciosos são aqueles que nos cercam, que nos apoiam, que crescem conosco, mesmo que por curto período de tempo.

Me perdoem pelo texto enorme. Hahaha. Beijos

 

Kamilla Oliveira

Anúncios

2 comentários sobre “Lembranças.

  1. “Lembranças são sim a coisa mais pessoal que temos. Mas não as mais preciosas, preciosos são aqueles que nos cercam, que nos apoiam, que crescem conosco, mesmo que por curto período de tempo.”

    seu texto encheu meu olho de ciscos. vários, vários ciscos! :’)
    ahahahahahahahaha
    tenho tantas memórias parecidas… papai durão tentando não chorar, mamãe batendo fotos, lendo do primeiro dia de aula SEU no NOSSO ensino médio e você com a Nathinha… hahaha
    E tenho orgulho de quem você se tornou também, Milla.
    Nas minhas memórias, tu tem um espaço bem grandão que nunca vai ser preenchido. ♥

    • Hahaha. Eu estava num dia muito nostálgico. Juro que escrevi o texto com as nossas fotos do lado, e chorando claro ♥
      Você também tem um espaço bem grandão aqui, Ju, e te juro que vai muito além de memórias. haha.
      Te amo, boba mais boba da minha vida ♥

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s